quarta-feira, 16 de junho de 2010

Sim. Estava triste. Possuia uma tristeza no olhar característica aos desapaixonados da vida. Já não havia muito que comemorar embora soubesse perceber maravilhas em peculiaridades. Olhava o Sol, o Céu, as formigas e estas coisas o faziam refletir. Pensava. Estava triste. Seus maravilhosos amigos o diziam: Fica feliz! Imploravam: Fica feliz! Impunham: Fica feliz! Obrigavam: Fica feliz! Mas ele não se submetia àquela ditadura da felicidade. Refletia sobre o tempo; sobre a história; sobre as contradições dos humanos e sobre suas mazelas. Pensava em Deus, no Universo e na vida real, na barriga esfomeada do menino de rua. Fazia relações metafóricas verdadeiramente lindas e tristes que podiam comparar um inseto a um homem. Outras menos belas, mas ainda tristes, que podiam relacionar Deus ao ser humano. Via a beleza na tristeza. Não a mesma beleza. Não era a de se usar um cachecol em dia de frio. Era a beleza de sentir o frio pelo outro que não teria o cachecol. Tinha a sensibilidade de entender que a felicidade não era senão sinônimo de esperança. E que a esperança não era senão sinônimo de atitude. Então abaixou a bandeira branca e feriu-a antes de hasteá-la vermelha. A bem da verdade, vermelho sempre fora sinônimo de Amor!


4 comentários:

Kézia disse...

Que maravilhoso!!! Fico feliz pelo fato de um ideal maor tê-lo feito voltar a lutar, voltar a sorrir, voltar a "sambear"! Esse deveria ser o ideal mor de todos nós, penso que como você, muitos outros sorrisos sucumbidos pela miséria, adviriam enfeitando o rosto e alma. Essa é nossa função sorrir e fazer sorrir, pelo simples fato de disceminar essas ideias de esperança...

Raspa de Tacho disse...

Tua arte há de ter um dever maior do que encantar.


Obs. Ri com a palavra de verificação.

STYMO!

De fato!

Marcel Silvano disse...

"a esperança não era senão sinônimo de atitude" - Como diz Leonardo Boff, esperança é do verbo esperança, não do verbo esperar. Ter esperança demanda assumir o caminho que a esperança te aponta e te compromete, para sempre ou, até a conquista, para depois chegarem outras esperanças..

Marcel Silvano disse...

Faltou um "r" no post anterior. Foi na hora que matei um mosquito.

"a esperança não era senão sinônimo de atitude" - Como diz Leonardo Boff, esperança é do verbo esperançar, não do verbo esperar. Ter esperança demanda assumir o caminho que a esperança te aponta e te compromete, para sempre ou, até a conquista, para depois chegarem outras esperanças..